Resistência popular antirracista e antifascista!

Direção Executiva Municipal do PSOL Feira de Santana

A vitória de Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018 representou o aprofundamento de uma conjuntura marcada não só pelo ataque aos direitos da classe trabalhadora, mas pelo extermínio explícito de grupos sociais historicamente marginalizados. Na prática, o bolsonarismo é a legitimação política do ódio que negros, mulheres, indígenas e LGBT enfrentam diariamente no Brasil. Mais que isso, o bolsonarismo cresceu através da mobilização de ressentimentos de grupos privilegiados. Trata-se de uma mobilização reacionária, ou seja, a rejeição violenta de qualquer movimento identificado com a luta por justiça social. Assim como nas primeiras décadas do século passado, período original de surgimento do fascismo, o bolsonarismo é por isso mesmo uma forma de neofascismo extremamente útil para o capital. Parte da sociedade é estimulada a encontrar um bode expiatório para seus problemas, enquanto os grandes capitalistas seguem explorando e controlando o rumo do país.

O empresariado aplaude a corrupção de Bolsonaro ou suas ações genocidas, como vemos agora durante a pandemia. É o aval para o autoritarismo seguir com a agenda econômica em favor de seus interesses, o que revela o temor do acirramento da luta social diante de tantos retrocessos. Sabe-se há tempos que o capital tem medo do povo, medo da luta social, medo das revoltas e revoluções. Por isso, o neofascismo de hoje pode continuar a atacar de maneira mais odiosa todos aqueles que o combatem. Como visto no século XX, o fascismo não será derrotado sem luta.

Os atos antifascistas e antirracistas, ocorridos no domingo em diversos lugares do país mesmo em meio à pandemia de Covid-19, marcaram a ocupação das ruas por quem já não acha mais possível tolerar tudo aquilo que é representado pelo governo Bolsonaro. Toda a repressão do dia mostrou, também, como a nossa luta será árdua. Inúmeros baianos e baianas lutaram contra o fascismo ao longo século XX e, sem dúvida, o momento exige continuar essa tradição de resistência. Bolsonaro, Mourão e todo o restante da sua corja só cairão com luta, sem moderações ou vacilações. A nossa vitória é não só urgente, mas cada vez mais uma questão de vida e morte.

A nossa vitória é não só urgente, mas cada vez mais uma questão de vida e morte. Todo o apoio à resistência popular, alimentada pela luta antirracista e antifascista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *